31 dezembro, 2014

Vivemos uma certa fragilidade neste momento, más há esperança


As injustiças se espalham, o medo parece que aumenta, a falta de respeito para com as pessoas e a natureza e as mudanças climática que ameaçam a vida humana e da natureza.

Também estamos vivendo momentos lindos, a participação das mulheres aumentam, a influencia popular em todos os setores esta sendo bonita, a internet se popularizam e pesquisas mostram que a pobreza global foi reduzida pela metade.

É lindo perceber o poder que o povo em geral tem obtido para enfrentar os desafios.Esta sendo mágico, temos a escolha entre reagirmos ou perdermos o ânimo. Uma grande parte depende de nós, precisamos gerar esperança que podemos conseguir superar desafios maiores.

Um feliz ano de 2015 para todas e todos.

30 dezembro, 2014

Novo salário mínimo será R$ 788

O valor do salário mínimo a partir de 1° de janeiro de 2015 será R$ 788. Reajuste de 8,84% em relação ao valor atual, de R$ 724.

O novo salário mínimo está definido em decreto assinado pela presidenta Dilma Rousseff e publicado na edição de hoje (30) do Diário Oficial da União.

O salário mínimo é calculado a partir de uma fórmula que leva em conta a inflação do ano anterior e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

Algo novo nos telões do Réveillon de Copacabana

Papa Francisco enviou uma mensagem em vídeo para o  Réveillon de Copacabana a ser exibida nos telões dos palcos antes da queima de fogos.

Segundo o Prefeito do Rio, Eduardo Paes a mensagem parabeniza a cidade pelo seu aniversário de 450 anos, a ser comemorada em 2015.

De acordo com o secretário Municipal de Turismo, Antônio Pedro Figueira de Mello, o vídeo foi gravado pelo Vaticano e enviado por iniciativa do papa, que, segundo ele, diz em um trecho da mensagem: “Tenho a certeza de que a cidade maravilhosa tem muito a oferecer ao Brasil e ao mundo.”

29 dezembro, 2014

Beneficiários do INSS devem comprovar que estão vivos e renovar senha até amanhã

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) devem procurar os bancos até esta terça-feira (30) para comprovar que estão vivos e renovar senha bancária. Para isso, o beneficiário deve ir até a agência em que recebe o benefício e apresentar documento oficial com foto, como carteira de identidade, de trabalho ou de habilitação.

Embora o prazo dado pelo INSS seja o dia 31 de dezembro, os bancos não estarão abertos ao público nesse dia, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Por isso, é importante ficar atento e evitar empecilhos para efetivar as ações, que são obrigatórias.

Quem não puder comparecer presencialmente à agência poderá valer-se de um procurador cadastrado no INSS ou de seu representante legal. Caso a ausência decorra de doenças ou dificuldade de locomoção, o procurador deverá comparecer a uma agência da Previdência Social portando procuração assinada e atestado médico emitido nos últimos 30 dias, além dos documentos de identificação dele e do beneficiário.

A falta de renovação pode levar à interrupção do pagamento do benefício, até que a situação seja regularizada. O Ministério da Previdência Social calcula que, dos 32 milhões de beneficiários do INSS, mais de 30 milhões fizeram os procedimentos obrigatórios até o dia 15 de dezembro, data da última contagem oficial.

Fonte: Agência Brasil - Repórter Helena Martins 

Para você com carinho


Slide Campanha da Fraternidade 2015

Clique aqui e veja o Slide da Campanha da Fraternidade (CF) 2015


23 dezembro, 2014

Garoto cria sistema que evita esquecer bebês em carros

EXAME.com

Infelizmente, muitas crianças morrem quando são esquecidas dentro do carro. Mas Andrew Pelham, um garoto de apenas 12 anos, criou um dispositivo capaz de acabar com esse problema.
O E-Z Baby Saver é uma invenção simples, feita de elásticos e fita adesiva bem colorida. Essa fita se estende da parte de trás do assento do motorista até a maçaneta da porta dianteira do veículo.
Ao abrir a porta, o pai fica preso por essa faixa. Com isso, o motorista lembra que é preciso checar os bancos traseiros antes de sair do carro. Segundo Huffington Post, Pelham já ganhou um concurso americano para jovens inventores.
A invenção ganhou destaque nas últimas semanas após a morte de uma criança de 1 ano e 10 meses, que foi deixada por sete horas dentro de um carro nos Estados Unidos.
Com as temperaturas quentes do verão, por exemplo, o número de casos como esse piora a situação e muitas crianças morrem com o intenso calor dentro dos veículos.

Assim que precisa ser!!!!

18 dezembro, 2014

Brasil marcou um golaço ao financiar Mariel

Com o porto de Mariel e outros inúmeros investimentos em Cuba, o Brasil é um dos países que estão mais bem posicionados para se beneficiar da queda do embargo americano à ilha, cuja negociação foi anunciada hoje. O comentário é de Patrícia Campos Mello, jornalista, no portal do jornal Folha de S.Paulo, 17-12-2104.
Eis o comentário.
Alvo de críticas ferrenhas, o porto de Mariel, que recebeu cerca de US$ 800 milhões de financiamento do BNDES e foi tocado pela Odebrecht, está a apenas 200 quilômetros da costa da Florida.
Depois da dragagem, poderá receber navios grandes como os Super Post Panamax, que Dilma citou várias vezes durante a cúpula da Celac este ano, e concorrer com o porto do Panamá.
Mesmo sem a dragagem, já será concorrente de portos como o de Kingston, na Jamaica, e das Bahamas, bastante movimentados.
O raciocínio do governo brasileiro sempre foi o de "entrar antes da abertura para já estar lá quando caísse o embargo".
Essa estratégia se provou acertada.
Fonte: IHU

12 dezembro, 2014

Dez vereadores rejeitam pedido de entidades pela revogação da PPP do lixo em Maringá

Publicado no site da Arquidiocese de Maringá

Dez vereadores rejeitaram pedido da Arquidiocese de Maringá, Observatório Social, ACIM e OAB pela revogação da parceria público-privada (PPP) destinada à prestação dos serviços de coleta, tratamento e destinação final do lixo em Maringá.

Representantes das entidades usaram a tribuna da Câmara na sessão dessa quinta-feira (11) e apontaram diversas irregularidades no processo.

Recentemente o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu medida cautelar determinando a suspensão imediata de licitação por meio da qual a Prefeitura de Maringá busca formalizar a PPP.

O certame, na modalidade concorrência pública, prevê um contrato de aproximadamente R$ 1,16 bilhão, no prazo estimado de 30 anos.

Representando a Arquidiocese de Maringá, estiveram presentes na sessão os padres Bruno Elizeu Versari e Onildo Luiz Gorla Júnior, além do presidente do Conselho de Leigos e Leigas, Walter Fernandes.

Vereadores que votaram contra o pedido das entidades: Luciano Brito; Chico Caiana; Tenente Edson Luiz; Marcia Socreppa; Luiz Pereira; Belino Bravin; Da Silva; Flávio Vicente; Jones Dark e Doutor Sabóia.

Os vereadores que atenderam a solicitação das entidades foram Ulisses Maia, Humberto Henrique, Mário Verri, Luizinho Gari e doutor Manoel.

04 dezembro, 2014

Campanha da Fraternidade (CF) 2015


Tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade”
Lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45)

A  Campanha da Fraternidade (CF) 2015 buscará recordar a vocação e missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II.

Proposta do subsídio
O texto base está organizado em quatro partes. No primeiro capítulo são apresentadas reflexões sobre “Histórico das relações Igreja e Sociedade no Brasil”, “A sociedade brasileira atual e seus desafios”, “O serviço da Igreja à sociedade brasileira” e “Igreja – Sociedade: convergência e divergências”.
Na segunda parte é aprofundada a relação Igreja e Sociedade à luz da palavra de Deus,  à luz do magistério da Igreja e à luz da doutrina social.
Já o terceiro capítulo debate uma visão social a partir do serviço, diálogo e cooperação entre Igreja e sociedade, além de refletir sobre “Dignidade humana, bem comum e justiça social” e “O serviço da Igreja à sociedade”. Nesta parte, o texto aponta  sugestões pastorais para a vivência da Campanha da Fraternidade nas dioceses, paróquias e comunidades.
O último capítulo do texto base apresenta os resultados da CF 2014, os projetos atendidos por região, prestação de contas do Fundo Nacional de Solidariedade de 2013 (FNS) e as contribuições enviadas pelas dioceses, além de histórico das últimas Campanhas e temas discutidos nos anos anteriores.
Explicação do Cartaz CF 2015 - Entenda o significado do cartaz: 

01 - O cartaz da CF 2015 retrata o Papa Francisco lavando os pés de um fiel na Quinta-feira Santa de 2014. A Igreja atualiza o gesto de Jesus Cristo ao lavar os pés de seus discípulos. O lava-pés é expressão de amor capaz de levar a pessoa a entregar sua vida pelo outro. E com este amor que todo ser humano é amado por Deus em Jesus Cristo. Ao entregar-se à morte na cruz e ressuscitar, como celebramos na Páscoa, Jesus leva em plenitude o Eu vim para servir (cf. Mc 10,45).

02 - A Igreja Católica, através de suas comunidades, participa das alegrias e tristezas do povo brasileiro. O Concílio Vaticano II veio iluminar a missão evangelizadora da Igreja. Evangelizar pelo testemunho, dialogando com as pessoas e a sociedade. No diálogo, a Igreja (as comunidades) está a serviço de todas as pessoas. Ao servir, ela participa da construção de uma sociedade justa, fraterna, solidária e pacífica. No serviço, ela edifica o Reino de Deus.


Fonte: CNBB

Importante alteração na atribuição do Conselho Tutelar !

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o A Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, passa a vigorar acrescida dos seguintes dispositivos:
“Art. 70-B. As entidades, públicas e privadas, que atuem nas áreas a que se refere o art. 71, dentre outras, devem contar, em seus quadros, com pessoas capacitadas a reconhecer e comunicar ao Conselho Tutelar suspeitas ou casos de maus-tratos praticados contra crianças e adolescentes.

Parágrafo único. São igualmente responsáveis pela comunicação de que trata este artigo, as pessoas encarregadas, por razão de cargo, função, ofício, ministério, profissão ou ocupação, do cuidado, assistência ou guarda de crianças e adolescentes, punível, na forma deste Estatuto, o injustificado retardamento ou omissão, culposos ou dolosos.”

“Art. 94-A. As entidades, públicas ou privadas, que abriguem ou recepcionem crianças e adolescentes, ainda que em caráter temporário, devem ter, em seus quadros, profissionais capacitados a reconhecer e reportar ao Conselho Tutelar suspeitas ou ocorrências de maus-tratos.”
“Art. 136. .....................................................................
.............................................................................................
XII - promover e incentivar, na comunidade e nos grupos profissionais, ações de divulgação e treinamento para o reconhecimento de sintomas de maus-tratos em crianças e adolescentes.” (NR)

Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 1o de dezembro de 2014; 193o da Independência e 126o da República.
DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo
Ideli Salvatti
 

Lucro de empresas e bancos está à frente da segurança alimentar

Por João Pedro Stedile

O Brasil consome mais de um bilhão de litros de venenos agrícolas por ano. Isso representa 20% de todos os venenos consumidos no mundo, embora sejamos responsáveis por apenas 3% da produção agrícola mundial.

Despejamos 15 litros de venenos por hectare cultivado. Essa realidade não tem paralelo com nenhuma agricultura do mundo, nem há nenhum manual de agronomia que faça tal recomendação.

Esses venenos de origem química são produzidos por poucas grandes empresas transnacionais. Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), somente as dez maiores empresas do setor foram responsáveis por 75% das vendas de agrotóxicos na última safra.

Isso lhes permite a maior taxa de lucro do mundo: US$ 8,5 bilhões de dólares na safra 2010/2011, e ainda desovam por aqui seus estoques de venenos proibidos em outros países.

Os venenos matam. Matam a biodiversidade existente na natureza, já que o agronegócio visa ao monocultivo absoluto, seja de soja, milho, algodão, cana ou pastagem extensiva. Mata os nutrientes, empobrece o solo e contamina o lençol freático fazendo com que muitas cidades com poço artesiano encontrem resíduos inaceitáveis para o consumo humano.

Os venenos também contaminam as chuvas. Quando o veneno secante não é absorvido, sobe para atmosfera e volta democraticamente para todos habitantes com a chuva. Mas, sobretudo, os venenos contaminam nossos alimentos. A Anvisa faz testes por amostragem apenas em algumas cidades a cada seis meses.

Mesmo com os níveis alarmantes, nenhum supermercado cumpre a lei do consumidor, que obriga que o rótulo ou a gôndola dos produtos avisem que aquele alimento é transgênico ou possui veneno.

Resultado: segundo os cientistas do Inca (Instituto Nacional do Câncer), a cada ano, 500 mil brasileiros são acometidos por câncer, grande parte originário dos venenos dos alimentos. Quase metade destes brasileiros irá a óbito.

Em todos os países da Europa a pulverização aérea de veneno é proibida. Aqui no Brasil, porém, é a mais usada, causando todo tipo de consequência à natureza, aos rios e às pessoas. No ano passado, uma escola rural de Goiás foi atingida, causando problemas a centenas de crianças.

Na Holanda, por exemplo, já está proibido o uso do Glifosato, o mais usado no Brasil. Cientistas conseguiram comprovar que os agrotóxicos causam alterações genéticas e aumentam as probabilidades de contrair câncer, sofrer abortos espontâneos e nascimentos com malformações.

O Brasil, no entanto, caminha no sentido contrário da modernidade e da proteção da vida. Porque aqui, o lucro das empresas transnacionais e dos bancos que as financiam vem em primeiro lugar. E, ainda mais, o agronegócio tem hegemonia completa na mídia brasileira, que todo dia faz sua propaganda ideológica.

O Ministério da Agricultura, em vez de ser rigoroso no controle dos venenos, os libera - como é o caso do chamado D-4, proibido na maioria dos países. No Congresso Nacional, o agronegócio também tem hegemonia, com os deputados ruralistas se orgulhando desse modelo. Havia um deputado, líder ruralista, que defendia com entusiasmo o uso de agrotóxicos, alegando progresso e modernidade para agricultura. Deixou de fazê-lo. Há dois anos, Homero Pereira morreu de câncer no estômago.

A Esplanada dos Ministérios, por sua vez, justifica o apoio ao agronegócio pelo valor das exportações agrícolas, como se sustentassem nossa economia. Ledo engano. Nenhum país do mundo se desenvolveu exportando commodities agrícolas e minerais. Enquanto o agronegócio brasileiro representa 3% do comércio mundial agrícola, na Holanda, com seu "enorme" território, essa cifra é o dobro, porque compra nossas matérias-primas, as industrializa e revende a outros países.

Por essa realidade, que organismos internacionais, entidades de saúde pública e os movimentos camponeses de todo mundo declararam o dia 3 de dezembro como o Dia Mundial de Combate ao Uso de Agrotóxico.

Ajude a salvar vidas (inclusive a sua), vegetais, animais. Exija que o supermercado coloque no rótulo se tem ou não agrotóxico. Exija que o governo não permita, ao menos, os venenos já proibidos em outros países. E potencialize a fiscalização da Anvisa.

Cuide de sua saúde, e não se iluda com a cantilena do agronegócio e das empresas fabricantes de venenos, que somente querem o lucro, mesmo que para isso tenham que lhe enviar a um hospital.

Fonte: Portal Uol


Para refletir


03 dezembro, 2014

2ª Caminhada + Bicicletada pela conscientização: doação de sangue e doação de medula óssea

Arquidiocese de Maringá apoia Caminhada e Bicicletada pela doação de sangue e medula óssea.




02 dezembro, 2014

Pesquisadora resgata história de quilombo dizimado por suíços em Casimiro de Abreu


Assunto foi tema da dissertação de mestrado de Renata em História, defendida há um ano, e deve virar livro.
Nos períodos mais populosos, o Quilombo chegou a ter cerca de três mil moradores. A localização do bairro, afastado da sede do município, e o bom solo, tornaram-no uma área destinada à produção agrícola. Renata lamenta que a influência da cultura africana seja tão desconhecida pela população da cidade. Na pesquisa, ela encontrou um documento em que descendentes dos imigrantes propõem medidas para minimizar a importância da influência africana na constituição do município. De acordo com a estudiosa, os primeiros conflitos entre quilombolas e suíços datam de 1823. Leia na íntegra

Sem maturidade dos pais, guarda compartilhada pode motivar novos conflitos

No último dia 26 de novembro de 2014, o Plenário do Senado aprovou o projeto de Lei (PLC 117/2013), que altera o Código Civil brasileiro, regulamentando e garantindo a guarda compartilhada dos filhos menores entre os pais separados/divorciados. Agora, a proposta segue para sanção presidencial. 
O projeto de lei prevê que em casos de litígio entre pai e mãe, seja em vias de separação ou já separados de fato, diferentemente do ocorre atualmente, a guarda dos filhos menores seja compartilhada igualitária e equilibradamente entre pai e mãe, não sendo mais restrita a um único genitor.

Ocorre que, atualmente, em regra – principalmente em caso de litígios, desde os mais simples aos mais graves – os juízes vêm estabelecendo que a guarda dos filhos esteja restrita a apenas um dos genitores, portanto, a regra gira em torno de julgamentos pela guarda unilateral. 

Isto basicamente quer dizer que um dos pais, aquele que o juiz julgar estar mais apto, é quem será responsável de uma forma geral pelo menor, desde a criação, educação, decisões, segurança, saúde até a formação, etc. 

O outro, em tese, não perde o direito ao convívio com a criança, porém apenas é detentor de direitos um pouco mais restritos baseados na supervisão de tais responsabilidades, bem como obter informações sobre o desenvolvimento, informações pedagógicas, emitir opiniões, e realizar visitas ao menor em períodos (dias/horários) pré-estabelecidos, etc. 

É importante ressaltar que o genitor que não detém a guarda não perde o poder familiar sobre o menor, portanto, os direitos e deveres básicos de pai/mãe. 

Por outro lado, a guarda compartilhada significa dizer que ...Continue lendo...

Concordo com a campanha


01 dezembro, 2014

Carta do Grupo Emaús à Presidenta Dilma

Estimada Presidenta Dilma Rousseff,
Nós, participantes do Grupo Emaús abaixo relacionados, queremos parabenizá-la por seu esforço e desempenho durante a árdua campanha eleitoral, bem como pelas conquistas de seu primeiro mandato. Somos um grupo de teólogos/as de várias Igrejas cristãs, sociólogos/as, educadores/as e militantes que nos encontramos regularmente há quatro décadas. Estamos todos comprometidos na construção de um Brasil, social e economicamente mais justo, solidário e sustentável.
A maioria batalhou, desde o início, em favor do PT e de seu projeto de sociedade. Nessas eleições de 2014, muitos de nós expressamos publicamente nosso apoio à sua candidatura. Discutimos e polemizamos, pois, percebíamos o risco de que o projeto popular do PT, representado pela Senhora, não pudesse se reafirmar e consolidar. Para nós cristãos, especialmente nas milhares de comunidades de base, tínhamos e temos a convicção de que a participação política, de cunho democrático, popular e libertador, se apresenta como um instrumento para realizar os bens do Reino de Deus.
Esses valores são a centralidade dos pobres, a conquista da justiça social, a mútua ajuda, a busca incansável da dignidade e dos direitos dos oprimidos, a valorização do trabalhador e da trabalhadora, a justa partilha e o respeito pela Mãe Terra. Por isso, na linha do diálogo que a Senhora propôs à sociedade, queremos apresentar algumas sugestões para que seu governo continue implementando o projeto que tanto beneficia a sociedade brasileira, especialmente os mais vulneráveis.
O BRASIL QUE QUEREMOS
Estas são as grandes opções que, acreditamos, devem estar presentes na construção do Brasil que queremos: Clique aqui para continuar lendo na íntegra a carta

Papo com a Presidenta Dilma por Frei Betto

PAPO COM DILMA
Frei Betto
 A presidente recebeu, a 26 de novembro, representantes do Grupo Emaús que, há 40 anos, articula, no Brasil, a teologia da libertação e as ferramentas pastorais que a tornam realidade na esfera eclesial.

         Acolheu-nos no Planalto por mais de uma hora, em companhia de Aloísio Mercadante, chefe da Casa Civil. Dilma demonstrava muito bom humor e abertura às nossas críticas e sugestões.

         Entregamos a ela carta assinada por 34 participantes do Emaús, entre os quais teólogos(as), sociólogos(as), educadores e militantes de movimentos pastorais.

         Manifestamos nossa proposta para seu segundo mandato, em texto intitulado “O Brasil que queremos”: reforma política (para a qual nos pediu sugestões); modelo econômico mais social e popular; auditoria da dívida pública; reavaliação dos megaprojetos à luz de critérios ambientais e sociais; defesa dos direitos de povos indígenas e quilombolas; restrição do uso de transgênicos e agrotóxicos.

         Insistimos nas reformas de que o país tanto necessita, sobretudo agrária, urbana e tributária. Sugerimos nova política de segurança pública e reforma prisional; a democratização dos meios de comunicação; e a universalização dos direitos humanos com respeito à diversidade.

         Consideramos importante a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais; a reapresentação do projeto de Participação Social; e o rigoroso combate à corrupção. (A íntegra da carta se encontra em meu site: www.freibetto.org).

         Enfatizamos a importância do diálogo permanente com os movimentos sociais e, em especial, com os jovens. Ela, imediatamente, cuidou de agendar tal sugestão. Criticamos também o sistema de comunicação do governo e insistimos na valorização dos centros de referência em direitos humanos e na política de proteção ambiental.

         Dilma não apenas agradeceu as nossas críticas e sugestões, como abriu canais para que se tornem frequentes.

         Fiquei com a impressão de que a presidente não dispõe de muitos interlocutores críticos. O poder costuma inibir aqueles que buscam tirar proveito pessoal, como manter a função e a suposta boa impressão, e preferem não correr o risco de serem mal acolhidos. Cria-se assim um círculo vicioso: a presidente escuta de muitos que a cercam apenas elogios, e fica desinformada quanto a avaliações críticas pertinentes.

         Ao final da audiência, ela externou o fascínio pelo homem que, hoje, ocupa o seu coração: o papa Francisco. Relatou os encontros que tiveram e as conversas descontraídas, concordando que ele é, atualmente, o mais importante líder mundial, capaz de estender pontes (daí o termo pontífice) entre regiões, países e Estados em conflitos.

         À saída da sala presidencial, encontrei Robson Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria e amigo de longa data. Em seguida, ele seria recebido por Dilma. Brinquei: “Robson, já tratamos com a presidente dos direitos dos trabalhadores. Agora é a sua vez de falar dos interesses dos patrões...”

Frei Betto é escritor, autor de “Oito vias para ser feliz” (Planeta), entre outros livros.


30 novembro, 2014

A palavra "advento" quer dizer "que está para vir"



O Tempo do Advento é tempo de fazermos um ver, julgar e agir de nos mesmos, de nossos pensamentos e de nossas atitudes com o objetivo de recomeçar uma vida nova em Cristo. O tempo do Advento é tempo de espera e esperança, de estarmos em oração, atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor.

Dois personagens bíblicos ganham destaque na celebração do Advento: Maria e João Batista. Ela porque foi escolhida por Deus para ser a mãe do Salvador, e ele porque foi chamado a ser o precursor do Messias. Ela se torna modelo do coração que sabe acolher a Palavra e gerar Jesus. Ele se torna modelo de uma vida que sabe esperar nas promessas de Deus e agir anunciando e preparando a chegada da salvação. 

Entre os símbolos do Advento, está a coroa, formando um círculo; nele são colocadas quatro velas representando as quatro semanas do Advento. A cada domingo uma vela é acesa; no 1° domingo uma, no segundo duas e assim por diante, até serem acesas as quatro velas no 4° domingo. 

A Coroa de Advento tem a sua origem em uma tradição pagã europeia. No inverno, acendiam-se velas que representavam o “fogo do deus sol”, na esperança de que a sua luz e o seu calor voltassem. Os primeiros missionários aproveitaram esta tradição para evangelizar as pessoas. Olha que lindo, partiam de seus costumes para anunciar-lhes a fé.

A forma circular porque o círculo é símbolo do amor de Deus que é eterno e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve ter fim. Além disso, o círculo leva ao entendimento de união entre Deus e a humanidade - “Aliança”.

Quatro velas que simbolizam as quatro semanas do Advento Conforme se aproxima o Natal, acende-se uma a uma as quatro velas, representando assim a chegada, entre nós, do Senhor Jesus, luz do mundo.

As cores litúrgicas representadas pelas quatro velas são:
- Roxa - cor penitencial que lembra o perdão concedido a Adão e Eva; 
- Vermelha - expressa a fé de Abraão e demais Patriarcas;
- Branca - simboliza a alegria do rei Davi que recebeu de Deus a promessa de uma aliança; 
- Verde - recorda os Profetas que anunciaram a chegada do Salvador.

Eles me amam!!!! rsrsrsrs





26 novembro, 2014

Mensagem de Natal de Dom Pedro Casaldáliga

Com alegria publico a mensagem de Natal de Dom Pedro Casaldáliga, que com carinho todo ano ele me envia.

Clique na imagem para ampliar


Íntegra do discurso do Papa Francisco ao Parlamento Europeu

Mensagem de esperança e encorajamento.
Vale a pena ler o discurso lúcido, corajoso, profético que o Papa Francisco pronunciou ontem ao Parlamento Europeu. 

Profeticamente o Papa disse:

"Realmente que dignidade existe quando falta a possibilidade de exprimir livremente o pensamento próprio ou professar sem coerção a própria fé religiosa? Que dignidade é possível sem um quadro jurídico claro, que limite o domínio da força e faça prevalecer a lei sobre a tirania do poder? Que dignidade poderá ter um homem ou uma mulher tornados objeto de todo o gênero de discriminação? Que dignidade poderá encontrar uma pessoa que não tem o alimento ou o mínimo essencial para viver e, pior ainda, o trabalho que o unge de dignidade?"
"Promover a dignidade da pessoa significa reconhecer que ela possui direitos inalienáveis, de que não pode ser privada por arbítrio de ninguém e, muito menos, para benefício de interesses econômicos."
Leia aqui a íntegra do discurso do Papa Francisco ao Parlamento Europeu.

Comunidades Eclesiais de Base - Regional Nordeste I

“Vinde, benditos de meu Pai, recebam como herança o Reino que meu Pai preparou para vós!”

Irmãos e irmãs da caminhada das CEBs, Paz e Bem!

          Estivemos reunidos/as nos dias 21 a 23 de novembro de 2014 no frio serrano da comunidade Itacoatiara, Diocese de Itapipoca. Fomos muito bem acolhidos/as na Capela Nossa Senhora das Neves, padroeira da comunidade. Percebemos o quanto esta comunidade é comprometida com a defesa da vida através da casa de sementes, casa do doce, experiências de irrigação sustentável, aproveitamento de garrafas pet para irrigação e construção de muros, plantios coletivos, escola muito bem cuidada, etc.

          Nossa programação foi extensa. Fizemos uma análise de conjuntura eclesial e sócio econômica, onde os/as assessores/as nos apontaram alguns desafios: a) È preciso investir mais na formação dos leigos e leigas para que estes/as atuem com mais qualidade, defendendo as linhas de caminhada das CEBs; b) Precisamos ter uma formação e atuação política mais contundente no sentido de ajudar nosso povo na base a compreender nossas realidades locais, municipais, estadual e nacional para que se defendam os direitos dos pobres e se criem as políticas públicas necessárias à vida do povo, principalmente daqueles mais ameaçados. Precisamos estar atentos e nos mobilizar em defesa do projeto popular de sociedade.

           Partilhamos a vida das CEBs em cada diocese, onde percebemos que temos em comum o desafio de sermos compreendidos na nossa forma de evangelizar tendo como foco a integração entre FÉ e VIDA, privilegiando o respeito ao jeito de viver de cada comunidade, respeitando também as outras religiões. Porém, apesar desse desafio, vemos muita vida e dinamismo, expressos nas nossas visitas missionárias, nossos domingos da fraternidade, nos encontros, nas músicas, nas danças, nas cores. Mas, não nos basta ser movimento, como temos sido tratados. SOMOS IGREJA! Estamos nas pastorais, nos grupos evangelizadores, nos círculos bíblicos. Como Igreja, precisamos nos colocar contra toda forma de opressão e exclusão!

             Dom Antônio Cavuto, bispo desta diocese esteve conosco, nos abençoando e falando da proposta de conselhos comunitários das CEBs, o que tem difundido nosso trabalho aqui.
             A manhã de domingo nos acordou com a graça de viver o dia do Cristo Rei/ dia do leigo e da leiga. O evangelho do dia nos mostra os critérios para construção do Reino de Deus, atendendo sobretudo às necessidades básicas de cada filho e filha de Deus: “Tive fome e me deste de comer; tive sede e me deste de beber. Estive nu, me vestiste. Preso e doente me visitastes. Como estrangeiro me acolheste”

               Que todas as nossas comunidades possam beber desta verdade e desta fonte e vivenciar os sinais do Reino!

Amém, axé, awêre, aleluia!

Itacoatirara, Diocese de Itapipoca, 23 de novembro de 2014.

24 novembro, 2014

Dom Anuar Battisti dez anos na Arquidiocese de Maringá


Hoje, 24 de novembro, dom Anuar Battisti, Arcebispo de Maringá, completa dez anos como pastor da Arquidiocese de Maringá, sua posse se deu no dia 24 de novembro de 2004.

Que Deus o abençoe por intercessão de Nossa Senhora da Liberdade, para que com carinho continue sendo presença amiga, nos envolvendo com ternura e cuidados, revelando a face materna e paterna do nosso Deus que caminha conosco.


23 novembro, 2014

Regra de vida: proximidade - ternura



Segundo o Papa, a “regra de vida” apresentada por Cristo exige “a proximidade e a ternura”, a “imitação” das suas obras de misericórdia.
“No entardecer da vida seremos julgados pelo amor, pela proximidade e a ternura para com os irmãos. Disto vai depender a nossa entrada ou não no Reino de Deus, a nossa colocação de um lado ou do outro”, observou.

Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil


21 novembro, 2014

Filme “Irmã Dulce” estreia nos cinemas do Brasil

Fonte: site da Arquidiocese de Maringá

“A verdade se impõe; a verdade ilumina; a verdade liberta. Um filme sobre Irmã Dulce só teria sentido se fosse expressão da verdade de sua vida. Não fosse verdadeiro, os primeiros a criticá-lo seriam os que a conheceram”, relatou o arcebispo de Salvador (BA) e Primaz do Brasil, dom Murilo Krieger, sobre longa metragem “Irmã Dulce”.

O lançamento do primeiro filme sobre a vida e missão da religiosa, Irmã Dulce, acontece no próximo dia 27 de novembro. No dia 13, o longa já entrou em cartaz nas regiões Norte e Nordeste do país.

O filme retrata com fidelidade e verdade o testemunho cristão da freira beatificada em 10 de dezembro de 2010, em Salvador. A beata recebeu o título de Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, tendo o dia 13 de agosto como data oficial de celebração de sua festa litúrgica.
Produção

Com direção de Vicente Amorim, roteiro de Anna Muylaert e L.G. Bayão, além da produção assinada por Iafa Britz, o longa-metragem, filmado em Salvador, mostra momentos marcantes da trajetória da beata.

O longa destaca o cuidado e o relacionamento de “mãe e filho” entre a freira e João, um menino pobre que pede abrigo à irmã após a família ser retirada de casa. Na infância e na vida adulta dele, Irmã Dulce o salva duas vezes da morte: retirando-o do ônibus após acidente em frente ao convento e quando criminosos o ameaçam de morte por conta de uma dívida.

Foto: Dilvulgação

18 novembro, 2014

Como Conversar com uma Criança Autista.



3 Métodos:
- Comunicando-se de maneira eficaz com uma criança autista 
- Auxiliando em outras áreas da vida do seu filho 
- Compreendendo o quão diferentes são as crianças autistas.
Crianças com autismo são únicas e interpretam o mundo de forma diferente, em comparação a outras crianças. Em termos de habilidades sociais e comunicativas, elas mostram diferenças altamente visíveis. Crianças com autismo parecem se valer de uma linguagem própria, implementando um sistema que funciona para elas. Se seu filho foi diagnosticado com autismo, é importante que você aprenda sua linguagem, a fim de se comunicar adequadamente com ele. Conheça aqui os métodos

Dia da Consciência Negra


17 novembro, 2014

Pacto das Catacumbas por uma Igreja Serva e Pobre

Em 1965, os bispos assinaram o Pacto das Catacumbas para ajudar a Igreja a se converter e se transformar em uma Igreja pobre e servidora de todos. 

“Como eu gostaria de uma Igreja pobre, para os pobres", afirmou o Papa Francisco poucos dias depois de sua eleição a centenas de jornalistas de todo o mundo recebidos em audiência no Vaticano. As palavras do Papa Francisco revivem a mensagem de João XXIII na qual, cerca de um mês antes da abertura do Concílio Vaticano II, afirmou: “a Igreja se apresenta e quer realmente ser a Igreja de todos, em particular, a Igreja dos pobres”. 

Durante o Concílio, em resposta ao sonho de João XXIII, um grupo de bispos, entre os quais se encontravam dom Helder Camara, constituiu o movimento “Igreja dos Pobres”. Ao final do Concílio, em 16 de novembro de 1965, este grupo celebrou uma missa na Catacumba de Santa Domitila, em Roma, e firmou o documento que se tornou conhecido como “Pacto das Catacumbas por uma Igreja Serva e Pobre”. 

Eis o texto do Pacto das Catacumbas

Pacto das Catacumbas da Igreja serva e pobre

Nós, Bispos, reunidos no Concílio Vaticano II, esclarecidos sobre as deficiências de nossa vida de pobreza segundo o Evangelho; incentivados uns pelos outros, numa iniciativa em que cada um de nós quereria evitar a singularidade e a presunção; unidos a todos os nossos Irmãos no Episcopado; contando sobretudo com a graça e a força de Nosso Senhor Jesus Cristo, com a oração dos fiéis e dos sacerdotes de nossas respectivas dioceses; colocando-nos, pelo pensamento e pela oração, diante da Trindade, diante da Igreja de Cristo e diante dos sacerdotes e dos fiéis de nossas dioceses, na humildade e na consciência de nossa fraqueza, mas também com toda a determinação e toda a força de que Deus nos quer dar a graça, comprometemo-nos ao que se segue:

1) Procuraremos viver segundo o modo ordinário da nossa população, no que concerne à habitação, à alimentação, aos meios de locomoção e a tudo que daí se segue. Cf. Mt 5,3; 6,33s; 8,20.

2) Para sempre renunciamos à aparência e à realidade da riqueza, especialmente no traje (fazendas ricas, cores berrantes), nas insígnias de matéria preciosa (devem esses signos ser, com efeito, evangélicos). Cf. Mc 6,9; Mt 10,9s; At 3,6. Nem ouro nem prata.

3) Não possuiremos nem imóveis, nem móveis, nem conta em banco, etc., em nosso próprio nome; e, se for preciso possuir, poremos tudo no nome da diocese, ou das obras sociais ou caritativas. Cf. Mt 6,19-21; Lc 12,33s.

4) Cada vez que for possível, confiaremos a gestão financeira e material em nossa diocese a uma comissão de leigos competentes e cônscios do seu papel apostólico, em mira a sermos menos administradores do que pastores e apóstolos. Cf. Mt 10,8; At. 6,1-7.

5) Recusamos ser chamados, oralmente ou por escrito, com nomes e títulos que signifiquem a grandeza e o poder (Eminência, Excelência, Monsenhor...). Preferimos ser chamados com o nome evangélico de Padre. Cf. Mt 20,25-28; 23,6-11; Jo 13,12-15.

6) No nosso comportamento, nas nossas relações sociais, evitaremos aquilo que pode parecer conferir privilégios, prioridades ou mesmo uma preferência qualquer aos ricos e aos poderosos (ex.: banquetes oferecidos ou aceitos, classes nos serviços religiosos). Cf. Lc 13,12-14; 1Cor 9,14-19.

7) Do mesmo modo, evitaremos incentivar ou lisonjear a vaidade de quem quer que seja, com vistas a recompensar ou a solicitar dádivas, ou por qualquer outra razão. Convidaremos nossos fiéis a considerarem as suas dádivas como uma participação normal no culto, no apostolado e na ação social. Cf. Mt 6,2-4; Lc 15,9-13; 2Cor 12,4.

8) Daremos tudo o que for necessário de nosso tempo, reflexão, coração, meios, etc., ao serviço apostólico e pastoral das pessoas e dos grupos laboriosos e economicamente fracos e subdesenvolvidos, sem que isso prejudique as outras pessoas e grupos da diocese. Ampararemos os leigos, religiosos, diáconos ou sacerdotes que o Senhor chama a evangelizarem os pobres e os operários compartilhando a vida operária e o trabalho. Cf. Lc 4,18s; Mc 6,4; Mt 11,4s; At 18,3s; 20,33-35; 1Cor 4,12 e 9,1-27.

9) Cônscios das exigências da justiça e da caridade, e das suas relações mútuas, procuraremos transformar as obras de "beneficência" em obras sociais baseadas na caridade e na justiça, que levam em conta todos e todas as exigências, como um humilde serviço dos organismos públicos competentes. Cf. Mt 25,31-46; Lc 13,12-14 e 33s.

10) Poremos tudo em obra para que os responsáveis pelo nosso governo e pelos nossos serviços públicos decidam e ponham em prática as leis, as estruturas e as instituições sociais necessárias à justiça, à igualdade e ao desenvolvimento harmônico e total do homem todo em todos os homens, e, por aí, ao advento de uma outra ordem social, nova, digna dos filhos do homem e dos filhos de Deus. Cf. At. 2,44s; 4,32-35; 5,4; 2Cor 8 e 9 inteiros; 1Tim 5, 16.

11) Achando a colegialidade dos bispos sua realização a mais evangélica na assunção do encargo comum das massas humanas em estado de miséria física, cultural e moral - dois terços da humanidade - comprometemo-nos:

a participarmos, conforme nossos meios, dos investimentos urgentes dos episcopados das nações pobres;

a requerermos juntos ao plano dos organismos internacionais, mas testemunhando o Evangelho, como o fez o Papa Paulo VI na ONU, a adoção de estruturas econômicas e culturais que não mais fabriquem nações proletárias num mundo cada vez mais rico, mas sim permitam às massas pobres saírem de sua miséria.

12) Comprometemo-nos a partilhar, na caridade pastoral, nossa vida com nossos irmãos em Cristo, sacerdotes, religiosos e leigos, para que nosso ministério constitua um verdadeiro serviço; assim:
esforçar-nos-emos para "revisar nossa vida" com eles;

suscitaremos colaboradores para serem mais uns animadores segundo o espírito, do que uns chefes segundo o mundo;

procuraremos ser o mais humanamente presentes, acolhedores...;

mostrar-nos-emos abertos a todos, seja qual for a sua religião. Cf. Mc 8,34s; At 6,1-7; 1Tim 3,8-10.

13) Tornados às nossas dioceses respectivas, daremos a conhecer aos nossos diocesanos a nossa resolução, rogando-lhes ajudar-nos por sua compreensão, seu concurso e suas preces.

Ajude-nos Deus a sermos fiéis.