05 março, 2018

Vigília dos Mártires - Arquidiocese de Maringá

'Não tenham medo’ é assim que o nosso Deus manifesta, com esse profético convite e Jesus Ressuscitado repete a frase todas as vezes em que aparece a suas discípulas e aos seus discípulos.


Vigília dos Mártires

"Não tenha medo" 

Convidamos todo o Povo de Deus da Arquidiocese de Maringá  

Dia 24 de março
19h30m
Paróquia São Mateus Apóstolo 

'Não tenham medo’ é assim que o nosso Deus manifesta, com esse profético convite e Jesus Ressuscitado repete a frase todas as vezes em que aparece a suas discípulas e aos seus discípulos.

Um convite que ajuda a enfrentar momentos sombrios, difíceis, de perseguição, na certeza que o nosso Deus está sempre ao lado de cada um de nós....isso é lindo.

Imaginemos a vida de um mártir, os momentos antes do próprio martírio.  São muito os mártires da caminhada, mulheres e homens de todos os tempos.

Vamos nesse dia celebrar a memória de Dom Oscar Romero, dos mártires da caminhada, assumindo um compromisso atualizado com as causas pelas quais elas e eles deram a vida, para fortalecer nossa consciência crítica, nossa união ecumênica e nossa esperança pascal.

Celebração dos Mártires agora faz parte da programação anual da Arquidiocese de Maringá

Tem por objetivo fazer memória aquelas e aqueles que deram a vida pela causa do Reino, que morreram lutando com fé e esperança no Deus da vida. Foram profetas, santas e santos e mártires que profetizaram sem medo, lutaram pela justiça do povo oprimido e marginalizado, pela igualdade e liberdade, pela inclusão social, pelo direito a terra, cuidado com a casa comum, moradia, pão, partilha da Palavra de Deus e a Eucaristia.

Construída pelas Comunidades Eclesiais de Base, as CEBs, a Celebração do Mártires será celebrada no dia 24 de março de cada ano, dia do martírio de Dom Oscar Romero. O local será itinerante, conforme manifestação em acolher pelas regiões Pastoral.

Lucimar Moreira Bueno (Lúcia)
Assessora Leiga das CEBs na Arquidiocese de Maringá

Oração


"Senhor Jesus, ensina-me, mais uma vez, que a liberdade verdadeira, e a felicidade duradoira, consistem na vivência do amor, que se faz dom generoso e incondicional, que se faz obediência humilde e alegre. Infunde em mim a tua força, o teu santo Espírito, para que cumpra a Lei Antiga e Nova, não em atitude de escravo, mas de filho, em atitude de homem verdadeiramente livre. Assim, a vontade do Pai tornar-se-é para mim, como foi para Ti, alimento saboroso que me fará progredir na liberdade e na felicidade. Ajuda-me a ser livre e fazer livremente aquilo para que me criaste, para que jamais volte a cair na escravidão e na infelicidade. Não se faça o que eu quero, mas o que o Pai quer de mim. Amém."

Fonte: Dehonianos